09 setembro 2013

Apaixonadamente virgem


Afinal havia uma intensidade que desconhecemos. Um adeus. Observo-te a correr como te imagino junto a mim a sussurrar-me palavras de quem fica. Em tempos assim o foi, pedia-te para ficares e ias ficando. Agora não. Indiferença. Visualizo-a por detrás das tuas quatro paredes. Eu estava para ficar, o meu olhar falava mais do que os meus lábios alguma vez conseguiram, falar. Podias ter-me como bem querias, sempre pudeste e eu queria-te a ti, quero-te a ti e espero pelo dia em que deixe de o dizer. Mas eu estava para ficar. Adorava as ruas até desapareceres delas, adorava caminhar até saber que não te ia encontrar e doeu quando senti que me fugiste das mãos. Incontrolável. Não sei onde falhei, não sei se falhei. A culpa? Não a atribuo. Às vezes tenho saudades de ouvir dizer, palavras tuas. 

8 comentários:

Rosinha disse...

As saudades ficarão. Sempre. O que importa é como tu lidas com elas. Como te fortaleces. Por isso, ergue a cabeça e respira este novo ar. Sem ele. Sei que és capaz. Não duvido disso por um segundo, princesa. I see you true colours and that's why I love you <3

Cláudia Ribeiro disse...

Está lindo, completamente!

Cláudia Ribeiro disse...

Não tens nada que agradecer.

Rosie disse...

que bom, ler palavras sentidas, palavras verdadeiramente verdadeiras, o que me dói é saber que são palavras de um coração magoado, desfeito e demasiado ferido. mas estou aqui, estarei sempre, e tu vais ser capaz de ultrapassar cada obstaculo, sei que sim <3

Cláudia Ribeiro disse...

Ei, eu ainda estou aqui.

andrii disse...

emocionas-me. matas-me. amo ler-te, ouvir-te e ter-te como amiga. não mudes. love you, baby <3

Cláudia Ribeiro disse...

E vou passar por cá sempre que poder!*

Cláudia Ribeiro disse...

<3