27 novembro 2015

Juro


Temo que a escrita nos leve por sítios onde eu ainda não nos permiti entrada. Que a escrita me faça sentir-te mais e melhor sem me estabelecer limites. Não me conheces sem limites; e que me rasque as roupas e me deixe nua. Tal como tu. Nua de trapos e sabores, acompanhada de vozes que ecoam na minha cabeça e me trocam os passos quando a meta és tu. E que haja mais eu sem ser tua, só um bocadinho para que eu não enlouqueça nas tuas mãos, satisfeita. Como se nada nos prendesse ao mundo e nunca nos importássemos de ir um bocadinho mais longe. 
Mas não hesites em me fazeres chorar por mais. 

3 comentários:

nês disse...

Eu fico deslumbrada com tudo o que partilhas, é tudo tão bonito e ao mesmo tempo tão pesado que me deixas louca da cabeça (no bom sentido)...

sam disse...

tens novidades para me contar

i disse...

shit, encontrei o teu blog outra vez e não o largo mais.