16 agosto 2015

Júpiter


Despacho-me de quem não me quer seu. Mas como eu gostava de te sentir mão... Tento deixar de pensar apesar de não deixares de fazer sentido. Eu juro que dou o meu melhor e por mim não sentia. Com calma, não me intitulo na merda mas de certeza que estava melhor contigo. Venha quem vier, e que venham mais, que estes não servem, não há ninguém como tu. Alguém que me faça voar nas horas e que faça do tempo nada sem deixar de me fazer implorar para que multiplique. Que o tempo não acabe e que tu não bazes com ele. Tarde demais. É inevitável não ter uma vozinha de fundo a chamar-te de cabrão mas não te julgo por viveres. Digam o que disserem, eu sei-te de cor e mereces.

2 comentários:

nês disse...

Há-de ficar tudo bem linda! Muita força...

Sadie disse...

sinto-me tal e qual (...) gostei.